terça-feira, 24 de janeiro de 2017

cabelo

 Nunca me preocupei muito com a minha queda de cabelo. Aliás, quando era adolescente a questão capilar coloca-se noutros moldes, ou seja, não havia penteado nenhum que me ficasse bem e como tenho dois remoinhos na cabeça, ficava sempre com a cabeleira cheia de "jeitos" quando esta começava a crescer em demasia. Assim, sempre usei o cabelo curto para tentar ter um aspecto decente. Mas nem com gel lá ia. 

 Com o passar do tempo, o mundo capilar mudou. Apareceram novos cortes, novas técnicas para moldar o cabelo e novas visões que encaravam este factor como um complemento ao estilo, à roupa, ou à personalidade. Mas eu continuava na minha, até porque fosse qual fosse o penteado que usasse, achava que nada me assentava bem, ou pelo menos como eu queria que assentasse, pelo que sempre odiei o meu cabelo. 

 Em 2007 começo a ouvir as primeiras bocas do estás a “ficar careca”. De “lá” para cá (2017) passaram-se dez (curtos) anos, mas o discurso dos outros manteve-se. Tiradas como “estás a ficar careca”, “usa umas ampolas que isso passa”, “olha, rapa tudo” e “estás a ficar com entradas” começaram a ser "dos discos mais pedidos" na minha vida. Chegou a um ponto, que já farto da conversa, respondia de uma forma mesmo simpática. Tipo, já berrava: “fodasse, já sei que estou a ficar careca porque já me disseram isso um milhão de vezes”. 

 Se no início, estava-me a “cagar” para o facto de estar a ficar careca, depois com tanto comentário, e tanto bom samaritano a “querer ajudar-me” com o meu problema capilar, comecei a ficar com traumas. Comecei a ver ampolas, a amaldiçoar a genética materna e a rezar para que os cabelos parassem de cair. No extremo, comecei a ver transplantes de cabelo, onde além dos valores exorbitantes que eram pedidos, as experiências que lia embatiam sempre sempre na questão da “dor” nos primeiros meses. E dor é coisa que me incomoda. Sou muito maricas ("yah, rigth") e antes de sentir qualquer coisa, pelo sim pelo não, já começo a tremer e a revirar os olhos. 

 No verão passado, vi um gajo todo grosso na praia com o cabelo todo rapado e de barba. Além das pernas pornográficas que tinha, e do rabo em mármore carrara talhado por um profissional, tinha um ar giro. Simpático. Tinha bom aspecto. Ficava-lhe bem aquele “look”. Comentei com o meu miúdo, e quando chegámos a casa nesse dia, ele pegou na máquina do cabelo e rapou-me a cabeça a “pente 1” - eu pedi, ok?. Deixei ficar a barba para compor a coisa e até nem achei muito mal o resultado final que via no espelho. Mas passados uns tempos, parecia que faltava ali qualquer coisa. Não sei. Parecia que não era eu e estava a sentir-me desconfortável. Ou se calhar era mesmo aquela sensação de estar a envelhecer, não sei. Ou então maias da minha cabeça. Não sei. Só sei que estava diferente e talvez por isso não me tenha sentido bem. 

 Mas também que alternativas tenho? Ampolas não resultam e acho que é só gastar dinheiro… e transplantes soa-me a dor sem necessidade, além do gasto que isso implica… porque se 5000€ para a primeira intervenção é um balúrdio, imagine-se várias, sim porque para um tratamento eficaz são necessárias várias cirurgias. E a dor? Ó meu Deus, a dor! Prefiro ter prazer a ter dor, porque sempre fui muito picuinhas - ou guloso. Portanto tenho que comer e calar. 

Enfim. Acho que ficar careca é mesmo uma inevitabilidade da minha vida e terei de aceitar esse facto, sendo que culpar os genes do meu avô materno… não me vai levar a lado nenhum. Ou pelo menos que me levasse ao Rio de Janeiro. 

12 comentários:

  1. Respostas
    1. Não sei se preferem Francisco :) Acho que isso é um mito :P

      Eliminar
  2. Ficas tu careca e eu com caspa suficiente para povilhar a árvore de Natal todos os anos...:(

    ResponderEliminar
  3. Namorado ainda este fim-de-semana tive uma conversa sobre esse assunto. O transplante é algo que não tem uma eficácia comprovada a 100% e o que acontece +e que te removem cabelos de outras partes e implantam noutras... Acho que as pessoas devem aprendem a moldarem-se, naquilo que é a evolução natural e se pretenderem fazer algumas alterações estéticas que o façam, pois sou completamente a favor! Acho que deves continuar assim! P.S. Fica a dica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade e também tenho essa filosofia, o problema é quando tens toda a gente a dizer-te o contrário e ai começas a pensar no assunto. No meu caso, acho que ainda não estou totalmente confiante em passar a usar o cabelo demasiado rapado.

      Eliminar
  4. Os meus pêsames Namorado... Já andei com o cabelo rapado e passei um frio inominável na cabeça...

    Esta será uma acção para nunca mais ;) .

    ResponderEliminar
  5. Quase todos os homens passam pela queda de cabelo. Vejo miúdos novitos quase carecas, com 18 - 20 anos. Tenho um amigo de 25 que está todo careca.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mark'zinho eu sei... é a velhice a chegar galope lol

      Eliminar

Podem comentar, que eu deixo. Vale tudo, menos ofender. Ok? E estar vivo é o contrário de estar morto - Lili Forever.