terça-feira, 7 de novembro de 2017

o rei e eu


E agora vou dançar para o Vale dos Lençóis. Vou tentar disfarçar, para amanhã, as olheiras até o chão que tenho, e os olhos super vermelhos (que estão num estado calamitoso por causa da alergia), para depois não andarem a dizer no trabalho que ando a fumar "brocas" estragadas.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

tryst pic

Tryst Pic é um projecto fotográfico criado em 2013 por Adam Roco. O conceito passa por fotografar homens de todo o mundo, que o artista encontra em aplicações como o Grindr, Scruff ou Tinder (entre outros). Um dos pressupostos, é que não exista envolvimento físico entre o fotógrafo e o fotografado, e um dos objectivos passa por combater o "body-shaming" (em português "vergonha do corpo"). Aliás, para Adam, a existência de perfis de engate com a referência a não respondo "a gordos" ou "a femininos" é um problema. 

No seu site podemos encontrar dois grandes temas, que definem os dois separadores principiais. Temos o "Guys" que imprime uma vertente mais do retrato (talvez definido como causal ou quotidiano) e o "Bare" que explora mais o corpo masculino através do nu. Ahhh e curiosamente tem muitos homens fotografados em Lisboa! Achei uma ideia muito interessante, e para terminar, deixo-vos ficar aqui alguns dos registos que gostei: 

Créditos: Tryst Pic - "Bare"

Créditos: Tryst Pic - "Bare"

Créditos: Tryst Pic - "Guys"

Créditos: Tryst Pic - "Bare"

Créditos: Tryst Pic - "Guys"

parcerias

Ultimamente cá no burgo (Portugal), as produções televisivas (séries e novelas) têm apostado (e bem!), na inserção de muitos actores e actrizes de outros países lusófonos, com especial destaque para o Brasil. Estava a passar a ferro a roupinha para usar amanhã, quando verifiquei através da RTP, que temos mais uma série nesses moldes. A "dita" chama-se "País Irmão" e passa-se entre Portugal e o Brasil, com muitos actores portugueses e alguns brasileiros (destacam-se o Marcos Pasquim, Natália Lage, entre outros). Ah, e é uma comédia.

A história é um pouco confusa para mim (uns portugueses vão fazer uma novela para o Rio de Janeiro, sobre o desembarque da família real portuguesa e assim, coiso e tal, na tentativa de abafar um escândalo do Governo da República Portuguesa), e acho que os actores lusos falam depressa demais, em contraponto com os brasileiros. Contudo, há algo na série que me fascinou: as cenas passadas na favela, naquele contraste entre a realidade e a imagem que a câmara transmite, pontuada pelos diálogos da personagem Thaís Meireles (interpretada pela actriz brasileira Jéssica Córes -na foto) e a sua mãe. A meu ver, a série, se focasse mais uma realidade tão brasileira, inserido outras realidades portuguesas, teria muito a ganhar. Mas isto sou eu, que nada sei sobre televisão. 

Jéssica Córes
Créditos: Gshow

Posto isto, para quando uma série gay entre Portugal e o Brasil? Até podia ser online, suportada por um crowfunding qualquer, construída à medida do seu sucesso e aderência do público. Sei lá, por exemplo, numa primeira temporada, podíamos ter um tipo brasileiro que vinha passar uma temporada a Lisboa para curar um desgosto de amor e conheceria um tipo português, preconceituoso em relação a brasileiros, mas que ao conhecer o tipo brasileiro mudaria radicalmente de opinião e se apaixonaria por ele como nunca se tinha apaixonado por ninguém. Depois a temporada acabava, com o tipo brasileiro a regressar ao Brasil e o espectador ficava na dúvida se o romance ficaria por ali ou se teria seguimento. A segunda temporada da "coisa", até podia acontecer no Rio de Janeiro. Até já tenho os meus protagonistas escolhidos! Por parte de Portugal avançaria com o Duarte Gomes e por parte do Brasil com o Miguel Thiré (também tenho uma panca por este menino snif snif). #ficaadica

Créditos: Artur Lourenço/Lux + J.Humberto/AGNews



Mais sugestões?

sábado, 4 de novembro de 2017

cultuga

E no seguimento da publicação anterior, pensei em deixar a seguinte dica, mas não quis misturar assuntos. Ou melhor, o projecto "Cultuga" merecia melhor enquadramento. 

Créditos: "Cultuga"


Mas o que é o "Cultuga", afinal? Na versão resumida é um blogue de dicas de viagem e  cultura em Portugal escrito por um casal de brasileiros que vivem em Lisboa e que pode ser encontrado aqui: www.cultuga.com.br

O Rafael Boro e a Priscila Roque são dois jornalistas que trocaram São Paulo pela capital portuguesa, e que desde 2010 desenvolvem este projecto - que também já está no Facebook. Pessoalmente considero que podemos encontrar por lá, matérias muito interessantes, e muitas dicas para turistas (e também residentes) sobre o que fazer neste pequeno país.

portugal x brasil

Perco horas no youtube a ver/ouvir músicas, a ver algumas curtas metragens, séries, programas de televisão e por aí a fora. Uma das coisas que também reparo, são os comentários. Então se forem vídeos portugueses (como o do Nilton a entrevistar a Daniela Mercury)... estão carregados de comentários de ódio de brasileiros, que por sua vez estão cheios de respostas de ódio de portugueses. Também existe o contrário, estejam descansados. Quando a estupidez encontra a estupidez, não há nada a fazer.

Um dos textos que mais me impressionou ler, foi de um norte-americano que dizia que estava a aprender português do Brasil, porque o português de Portugal era de um país "tão insignificante a nível mundial, tão pequeno, que só tinha 11 milhões de habitantes" e que nós portugueses tínhamos "um qualquer recalque". Bom, amigo, nem sei como te dizer isto, mas vamos lá a mais uma lista:

1. Primeiro, tenho que te dar os parabéns porque deves ser um dos poucos norte-americanos que sabe que existe Portugal. Bom, tu e a Madonna. 

2. Depois, como português que vive em Portugal, devo-te dizer que dou graças a Deus porque não somos muito conhecidos mundialmente. Assim, ninguém dá pela nossa presença e podemos viajar para qualquer lado sem muitas perguntas. É claro que chego a Estocolmo, Berlim, Atenas ou Oslo, e digo que sou português, e as pessoas dizem-me logo "Eusébio", "Figo" ou "Cristiano Ronaldo"  e eu fico chateado por percebem de onde venho (ou seja, maldito futebol que nos faz ficar conhecidos. E logo eu, que até odeio futebol). Ahhhh, e ultimamente também dizem "Salvador Sobral". Eu bem disse que ganhar a Eurovisão só ia dar chatices. 

3. Nós vivemos aqui esquecidos na cauda da Europa. Muitos até julgam que somos um mito ou que somos uma região de Espanha. Não somos ricos, é um facto, mas também isso ajuda que ninguém nos queira. Por exemplo, por causa da guerra da Síria, decidimos receber um grupo de refugiados. A maior parte deles fugiu de Portugal. Eu percebo-os, também não queria ficar aqui se fosse refugiado. Onde é que já se viu, toda a gente a querer dar coisas, sem exigir nada em troca? Estavam a asfixiar as pessoas com tanto mimo, e todos sabemos que os refugiados não querem mimos, querem é ser explorados. Deixaram-nos ficar mal vistos, foi o que foi! Para a próxima temos que os prender com um cadeado a uma cadeira. Não podemos correr mais riscos. Também temos direito a ter refugiados, pah!  

4. Outra coisa que nos ajuda a ficar esquecidos e insignificantes no mundo - graças a Deus - é que as novelas portuguesas (que são compradas aos magotes) são dobradas nas línguas nativas dos países onde são exibidas. Temos uma Diana Chaves a falar italiano, ou "espanhol das américas", ou até mesmo russo, e isso não nos incomoda nada. N-A-D-A-! Se não nos incomodamos que a Diana Chaves tente falar português de Portugal, vamos ficar chateados com o resto? Portanto, ninguém sabe que fazemos/exportamos novelas. Novelas são sempre brasileiras - e toda a gente sabe isso.

5. E é bom que ninguém aprenda português de Portugal, porque eu gosto de ir em viagem a falar mal de tudo, sem ninguém me perceber. Em França é sempre um risco, mas vale a pena. Aliás, quem é que nunca ia levando um murro na cara porque fez um comentário menos próprio, a um "estrangeiro" que afinal era português e percebeu exactamente o que estávamos a dizer? Adoro viver no limite. E é bom que os estrangeiros que aqui chegam, pensem que falamos italiano ou castelhano, porque respondemos sempre em inglês. Confuso? Não. Apenas gostamos de baralhar o sistema. 

6. E só somos 11 milhões? Que tem? Achas pouco? Eu já acho demasiado. Somos é demais. O mundo não merece tamanho sofrimento. Mas olha, não fiques ainda mais chateado, mas aqui em Portugal não chegamos a 11 milhões...  somos 10 e qualquer coisa. Tudo bem que na Diáspora portuguesa somos muitos mais, mas como diz a outra "isso agora não interessa nada"

7. E querido amigo americano, não sei se existe no português do Brasil, que estás a aprender com todo o afinco, a expressão "vai para o caralho", mas nós por aqui, quando queremos o bem de alguém (cof cof cof) mandamos logo para aí. Portanto: vai para o caralho, se faz favor. Sim, se faz favor, porque podemos ser insignificantes e "poucochinhos", mas somos educados - tirando os seguranças da discoteca Urban Beach em Lisboa. 


E para um tipo como eu, que nunca teve qualquer tipo de problemas com brasileiros, seja aqui na blogosfera, seja na vida real, estas "agressões" verbais deixam-me um pouco chocado. Mas isto sou eu que tenho a mania que sou sensível. 

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

terça-feira, 31 de outubro de 2017

blogs portugal

Já estou registado no Blogs Portugal faz tempo. E porquê? Olha, porque sim. Gosto de saber o que se passa no meu espaço, e embora não esteja em competição com nada nem ninguém, tenho sempre curiosidade em saber quem aqui apareceu, de onde, para quê, quem perdeu tempo a ler estas parvoíces, de onde, porquê e assim e coiso. E o que ganho com isso? Olha, nada. Mas desde que escrevi esta publicação subi 21 posições. Ou seja, estou no honroso lugar n.º 579 , de um universo de 26000 blogues inscritos - na categoria "pessoal", este blogue ostenta o número 65. E nem foi preciso tirar a minha roupa. É obra! Também é obra, ter ultrapassado as 500 mil visualizações desde que este blogue iniciou viagem, o que me leva a concluir que não sou o único parvinho no pedaço. Graças'a'deus!

Bom, quando me iniciei no Blogs Portugal, o site ainda estava muito no início e tinha poucas funcionalidades. Agora, já permite fazer mais umas coisinhas, e tem planos pagos para quem quiser ser mais específico nas análises. O que é giro nesta ferramenta, é a possibilidade de existir um barómetro na blogosfera portuguesa e conhecer novos blogues. Ahhhhhhhhhhh,  e é verdade (pensavam que estava a ser fofinho, né?), neste momento, encontra-se em aberto um concurso para ganhar um Plano Premium no Blogs Portugal, ao qual estou a concorrer, para analisar com mais pormenor, as novas funcionalidades. 

Para quem quiser concorrer, tiver curiosidade, ou quiser associar-se ao projecto basta ir aqui: www.blogsportugal.com

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

only fans

A última moda tecnológica, que está a fazer as delicias de muitos instagramers (é assim que se escreve?), chama-se Only Fans. E o que é isto dos “Únicos Fans”, pergunta-me vocês? Basicamente é um site parecido ao Facebook, no que diz respeito à publicação de conteúdos, onde estes aparecem por ordem cronológica como no Twitter – o esquema de resposta é muito semelhante a esta última rede social. Cada utilizador pode colocar conteúdos em vídeo, ou em fotografia, em modo público ou privado, sendo que nesta última valência é possível fixar um preço, que terá de ser pago por quem quiser ver/observar/mirar/babar. Para o efeito basta criar uma conta, ou entrar com a conta do Twitter, e começar a seguir pessoas. 

Créditos: Only Fans



Esta ferramenta está a ser muito utilizada por muitos instagramers, que têm muitos seguidores, sendo que muitos utilizadores homens aproveitam para publicar fotos mais “intensas” que não podem publicar no Instagram (sim: nus frontais, laterais e posteriores). Aliás, já sabem que conseguem ganhar mais seguidores (e dinheiro) se assim o fizerem – ninguém é inocente aqui. Portanto, basta estar atento e para quem quiser gastar uma verba na “coisa” (depende do utilizador, mas a média rondará os 8 euros mensais), quem sabe se não será uma oportunidade para observar, como veio-ao-mundo, aquele gajo que seguimos R-E-L-I-G-I-O-S-A-M-E-N-T-E no Instagram ou Facebook


Fosse eu novo, giro, e com um corpo do caraças, também aderia. Ao fim ao cabo, cada um mostra apenas o que quer. Ou o que pode.

segunda-feira, 23 de outubro de 2017