segunda-feira, 20 de março de 2017

extraterrestre

É como me sinto de momento. 

Não um senhor. 

Apenas um extraterrestre.  

chegadas

Ah! E hoje chegou a prima.

não me esperes de volta

Boa semana!


Gosto da sonoridade e da letra. Parece-me que será uma boa escolha para a "dor de corno". Ou para umas indirectas no Facebook. 

Por vezes tenho medo das minhas premonições (gargalhada). 

Podia ser a próxima Maria Helena. 

#apensarnumnovofuturo

sexta-feira, 10 de março de 2017

testes

Quando estamos com a autoestima em baixo, o Universo (Deus, Poder Superior, deus da autoestima, ou o-que-quer-que-seja), manda alguém em nosso auxílio. 

Hoje, no espaço de uma hora recebi duas mensagens pelo Facebook. Uma dizia “estou na cama, és bué giro, podias fazer-me companhia” e a outra “Estou todo nuzinho na cama e cheio de vontade”. 


Andas a testar-me, não andas?

sorte

Agora que estou gordo (pela primeira vez na minha vida tenho 74 kg) as minhas colegas mexem-me na barriga, apalpam-me as mamas e olham para o meu rabo. Sinto-me como um pequeno Buda em que se esfregam as mãos na barriga para dar sorte. Podia ser pior, é um facto.Só sei que se alguém ganhar o Euromilhões (ou outro prémio monetário qualquer) quero metade.

quinta-feira, 9 de março de 2017

parvoíces

Hoje trago uma camisolas às riscas. Chego ao trabalho e a minha colega da frente diz-me:

- Odeio essa camisola. Odeio riscas. 

E eu respondo: 

- Mas é para combinar. 

Ela olha-me com "olhos de ver" e afirma:

- Não sei com o quê... 

E eu, com a mania que sou malandro digo:

- Com os boxers *e levanto a camisola e mostro-lhe um bocado dos boxers* 

Ela tapa os olhos com as mãos, e eu provoco:

- Agora finge-te de santa. Estavas danada para que eu fizesse uma piada do género.

E ela responde-me: 

- Nada disso. Só não quero lembrar-me que tenho a roupa interior do meu marido para arrumar. 


Entretanto olhamos para o lado, e estão duas colegas a olhar para nós. Eu pergunto:

- Que foi?

E uma delas responde:

- Por nós podes continuar, nós não temos roupa dos maridos para arrumar. 

E eu:

- Não há ambiente para isso. Não tenho música *e eu ajeito a camisola, arrumo tudo direitinho, e sento-me quietinho... não vá alguém ter a brilhante ideia de colocar uma música de fundo* 

sábado, 25 de fevereiro de 2017

encontrar o sol

Já não ia ao teatro faz anos. Não sei concretamente o porquê, talvez achasse que era um produto demasiado caro. Talvez fosse preconceito ou preguiça de sair de casa, mas desta vez, impulsionado pelo que li em diversos meios de comunicação, e publicações no Facebook, resolvi comprar os bilhetes e ir. A peça chama-se "Encontrar o Sol" e está em cena no Teatro Municipal São Luiz, em Lisboa. 

Devo dizer-vos que gostei muito. Tem momentos de humor, tem momentos de drama, tem momentos de compaixão, de revolta, de simpatia, de querer perceber o porquê, e se nós, homossexuais, estaríamos dispostos a casar com uma pessoa de outro sexo só por causa das aparências, do afecto ou da aceitação. Mas mais importante do que aquilo que acontece durante a peça, são os momentos após, porque saímos dali a pensar no "e se", e no "que aconteceu à personagem tal" e será que foi o "síndrome de Romeu e Julieta"

Pelo que vi no Facebook, muitos dos meus amigos gays também foram e até encontrei um colega meu do trabalho por lá. Talvez tenha ajudado o facto dos actores andarem de sunga pelo palco, ou dos actores masculinos protagonizarem cenas em que dão beijos demorados na boca, ou ainda da peça retratar um ex-casal de namorados gays que agora são casados com mulheres. Não sei. Não sei se o target principal era o público homossexual, ou se este apenas se reviu na peça, mas o que sei, é que recomendo V-I-V-A-M-E-N-T-E, embora hoje seja o último dia em Lisboa (sessão às 21h). Para quem mora no norte do país, tem a possibilidade de assistir a esta peça em Braga, no Theatro Circo, no dia 3 de março de 2017. 


Créditos: Teatro do Eléctrico

Quando resolvi escrever esta publicação, ponderei fazê-lo através da minha interpretação do que assisti com o objectivo de criar algum interesse em terceiros, de forma a que saíssem do sofá e fossem ao teatro, mas depois conclui, que iria destruir a magia da "coisa" e decidi apenas criar um texto de divulgação. Também não seria justo destruir a possibilidade de quem vai assistir, de criar as suas próprias conclusões. Contudo, e de forma a existir um pequeno contexto, deixo ficar a sinopse oficial: 

"Quatro pares de homens e mulheres encontram-se numa concorrida praia. Henden, casado com Gertrude, é pai de Daniel, agora casado com Cordelia, mas envolvido no passado com Benjamin, actual marido de Abigail. O jovem Fergus e a sua mãe acompanham com curiosidade a ambiguidade destas ligações. De um humor cruel, Albee dota todas as personagens de ironia e absoluta autocomiseração, isolando-os numa luta interna contra as grandes inquietações do Homem: o desamor, o envelhecimento, a exclusão e a perda."



No final da peça, e através do Facebook, enviei algumas mensagens a dar os parabéns a alguns dos actores - cujas interpretações me marcaram mais. Devo dizer que a Rita Cruz foi a única que me respondeu (também não havia obrigatoriedade de resposta, como óbvio) o que reforçou a imagem com que fiquei. Ou seja, além do enorme talento que tem como actriz e cantora, tem a perfeita noção de que é no público, e com o público, que pode crescer ainda mais. Aliás, os génios são caracterizados pela simplicidade com que lidam com os outros. Força Rita! Muito sucesso!


Créditos: Teatro do Eléctrico


Tradução | João Paulo Esteves da Silva 
Encenação | Ricardo Neves-Neves 
Assistência de encenação | Catarina Rôlo Salgueiro 
Interpretação | Cucha Carvalheiro, Custódia Gallego, Luís Gaspar, Marques d’ Arede, Romeu Costa, Rita Cruz, Tadeu Faustino e Tânia Alves 
Cenário | Tiago Pinhal Costa 
Figurinos | José António Tenente Luz | Luís Lopes 
Música e Sonoplastia | Sérgio Delgado Piano | João Paulo Esteves da Silva Guitarra | Marco Carvalho Saxofone | Rita Nunes Trompete | Ivo Rodrigues Violino | Raquel Cravino 
Coros e Apoio vocal | João Henriques Com a participação do Coro CoLeGaS - Coro Lésbico, Gay e simpatizante da ILGA Portugal 
Fotografia | Alípio Padilha Comunicação do Teatro do Eléctrico | Mafalda Simões Estagiários ESAD | Diogo Guerra, Emanuel Santos, Raquel Mendes, Vânia Dinis 
M/14 
Duração aproximada | 1 hora e 15 minutos 
Co-produção | São Luiz Teatro Municipal, Theatro Circo de Braga e Teatro Do Eléctrico INFOS SÃO LUIZ TEATRO MUNICIPAL Morada | R. António Maria Cardoso, 38, Lisboa Reservas | 213 257 650 / bilheteira@teatrosaoluiz.pt INFOS THEATRO CIRCO DE BRAGA Morada | Av. da Liberdade, 697, Braga Reservas | 253 203 800 / reservas@theatrocirco.com

mau feitio

É pah... quando não gosto de uma pessoa não consigo mesmo disfarçar. 

calores

Ex-namorado do amigo: Olá. Tudo bem?

Eu: Sim, tudo. E por ai? 

Ex-namorado do amigo: Que fazes? Eu vejo um filme.

Eu: Nada de especial. Nunca mais chega o verão. Estou farto do inverno e do frio.

Ex-namorado do amigo: Hum.. Eu tenho o aquecedor ligado aqui em casa. Está muito calor. 

*plim* 
| manda foto em tronco nu |

Eu:  Ah pois. Estava bem era na praia, de sunga, no Rio de Janeiro, ou noutro qualquer local com calor.  

Ex-namorado do amigo: Podes vir cá ter a casa, aqui está muito calor! Trazes uma sunga e faz de conta que estás num país com verão :P 




Por vezes julgo que Deus me tenta a inteligência. 

mandamentos do facebook

Mandamento 2


 Palavra de Namorado aos Romanos


 | Só percebes que as pessoas que te "desamigaram" no Facebook não têm importância, quando apenas verificas que elas te removeram do seu círculo de amigos através de um novo pedido de amizade | 


 Por isso, e pelo Mark Zuckerberg, Oremos ao Senhor. 

 Ouvimos Senhor.

competição

Continuo a não perceber porque determinadas pessoas continuam em competição comigo. Não percebo, porque não estou em competição com ninguém. Just that. Não dou para esse peditório, até porque, conhecendo-me como conheço, quando vou a jogo é para ganhar. E mesmo que perca, sei que me matei todo e dei o meu melhor. Fui criado num contexto competitivo e estou habituado a ser pressionado para "ser um dos melhores", E como sei que este caminho é deveras extenuante, tendo evitá-lo a todo custo. Porque há coisas na vida que não têm preço. E a nossa sanidade mental é uma delas. Temos que saber escolher as nossas batalhas convenientemente, e temos que saber as alturas que "largar" é a opção mais inteligente. 

Há dias recebi uma mensagem pelo Facebook de um gajo (que até acho fisicamente atraente e que se enquadra nos meus padrões de "gajo giro") por quem gerei um interesse "relativo" em 1810, sendo que nessa altura, o tipo, só quis mesmo gozar com a minha cara ao mesmo tempo que se vangloriava disso mesmo aos amigos e ao suposto namorado. Lembro-me perfeitamente quando o encontrei num sábado à noite no Trumps, e ele, com a maior cara de pau, depois de me ter colocado em "banho-maria", chega-se ao pé de mim para me dizer olá e de seguida espeta um beijo na boca no rapaz supostamente namorado. Mas pronto. Adiante. Mensagem. Voltemos à mensagem. 

Estava eu a perder tempo no Facebook (sim eu sei, estou viciado na "coisa") quando recebo a tal mensagem. Perguntava-me ele, "ah e tal, já não vais mais de férias? ahahah eu agora vou para um sítio onde já foste", ao que respondi que iria para a Europa Central em Fevereiro. Ele, porque pensa que estou nalgum tipo de jogo para ver quem viaja mais, diz-me ainda: "ahhh, mas ainda vou passar em Madrid e depois Londres". Eu apenas respondi um "ah, que bom" só para não o mandar à merda (sim, porque sei que se o mandasse apanhar na peida, ele iria porque gosta).

Só sei que as pessoas deviam de aprender a estar quietinhas de vez em quando para evitar o ridículo. Ou a estupidez. Eu viajo porque é um dos maiores prazeres que tiro da vida e porque me faz crescer como pessoa. "Só" isso. Não ando a competir com ninguém nesse ponto, e estes cromos deviam de perceber isso. Até porque ele é comissário de bordo - portanto partia em vantagem nesta batalha, e eu, entre empregado de mesa do ar ou empregado de mesa de terra, prefiro ter os pés bem assentes no chão. 

sábados

Eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio... Mas hoje é sábado... mas... eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio, eu devia de ir ao ginásio... Vou pensar mais um bocadinho se vou ou se fico.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

roberto carlos

Não sou fã (nunca fui) do Roberto Carlos, sendo que o seu maior êxito para mim será sempre o "calhambeque bip bip" - Música de "infância", contudo devo confessar que esta nova música não me sai do repeat.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

motivação

Chefe: Olha, tenho um trabalho genial para ti. É mesmo a tua cara. O não-sei-quantos vai meter uns dias de baixa médica e preciso que alguém assegure o trabalho dele.

Eu: Não me dava muito jeito, tenho imensas coisas para acabar. Mas agradeço a lembrança.

Chefe: Mas não estás a perceber, é mesmo a tua cara. Vais gostar imenso de fazer este trabalho. 

Eu: Mas depois não consigo acabar o projecto que tenho em mãos até ao final do mês. Além que vou de férias. 

Chefe: Não te preocupes. Vais conseguir fazer isso. Aliás, és a pessoa certa para o trabalho. É um desafio espectacular.

Eu: Porque não dá ao colega-que-gosta-do-show-off?

Chefe: Porque já tem muitas coisas para fazer.

Eu: Porque não dá à desgraçadinha-que-está-sempre-a-invejar-os-meus-trabalhos?

Chefe: Hum... não, não. Pensei em ti. 

Eu: Mas ela não tem nada para fazer!

Chefe: Pois... Mas preciso de pessoas dinâmicas como tu.   




Esta gente tem uma lata. Uma merda. Dinâmico uma merda. Ninguém quis ficar com o projecto e sobrou para mim, foi o que foi. Badamerda para isto. Ah e o desafio espectacular é estar em reuniões, fazer actas e ficar com as tarefas que ninguém quer fazer no grupo de trabalho. 

regressos - esclarecimento

Não. Não fui de férias com o Silvestre.*

*pelo que li as férias dele foram baratas, ao contrário das minhas.

regressos

O chato das férias é mesmo a conta final. Principalmente quando gastámos mais do que tínhamos inicialmente pensado. Uma pessoa tem a mania que é rica e depois é isto. Anda na penúria. Chora sobre o leite derramado. Não há por aí nenhuma alma que me queira pagar as férias? Sei lá, paga-se tanta coisa, a tanta gente, que seria apenas mais um. Mais um não, porque seria mais um, mas em bom. Em genial. Em engraçadinho, vá. Já pensei em prostituir-me, mas já tenho 36 anos, estou acabadissímo, ainda estou na fase da engorda (já vou nos 72kg, by the way) e portanto parece-me que não teria muito sucesso. É que nem massagens sei fazer - embora as minhas colegas do trabalho insistam em que lhes passe as mãos'zinhas pelo pêlo.  

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

second

Depois do vídeo viral dos Holandeses a querer ficar em segundo - face à América de Trump, chegaram outras participações a querer também um lugar no pódio, incluindo a portuguesa - realizada pelo talk show da RTP1 "5 para a meia noite" e que já é um sucesso mundial. 



Para mim, no TOP dos vídeos já apresentados, está a participação Alemã, que através do humor explica e alerta para os perigos de se querer "ser grande novamente"

No seguimento desta corrente, tem aparecido também outros vídeos de regiões mais ou menos conhecidas que quiseram ter um protagonismo muito próprio. Dessas participações, trago a da nossa Ilha da Madeira: 




Sim, porque se América estará em primeiro, alguém tem de ser o segundo, né?

Todas as participações oficiais aqui!

mete nojo

Só para avisar que para a semana vou de férias.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

dúvidas

Ter inserida na extensa password do Facebook, a data que o nosso ex-namorado (neste caso o número 1) acabou connosco, não é sinistro, pois não?

dramas

Nãoooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo!


A rameira da NOS cortou-me os dados móveis no telemóvel porque diz que ultrapassei os consumos permitidos. Mas não ultrapassei! Como é que vou sobreviver se hoje ainda é dia 1 de Fevereiro??????????

Odeio a NOS. A pior operadora do mercado.