domingo, 7 de maio de 2017

amesterdão I

Há cerca de dois meses fui a Amesterdão com a minha melhor amiga. Foram dois dias úteis colados a um fim-de-semana, a um local que ambos conhecíamos, pois já tínhamos lá estado com outros amigos, em 2014. Desta vez fomos "viver" a cidade. Os namorados de ambos ficaram por cá (o meu não pode ir e o dela é "segredo") e ela disse-me logo na partida "desta vez temos que experimentar os "famosos cookies"!

Créditos: Namoro com um Pop Star

Para a viagem ficar "baratinha" fomos de Lisboa a Eindhoven pela Easyjet (40 euros ida e volta, a cada um), e daí de autocarro até Amesterdão (mais 19 euros a cada um, por viagem. A volta foi feita de comboio). Demorámos um bocado de tempo a chegar ao destino final, mas em termos de preço compensou. O hotel de 4 estrelas (mas que parecia ter metade) deu para os gastos, mas sem pequeno almoço, porque nos pediam a cada um, 18 euros por dia. O hotel precisava de alguma manutenção (que referi ao preencher o inquérito de satisfação), era todo rosa (lembrava uma casa de alterne - não que conheça alguma, apenas imagino cof cof cof) e tinha um pormenor super interessante no quarto: a porta da casa de banho era transparente. Esta questão'zita deixou-nos intimidados quando a verificámos, mas como bons portugueses que somos, resolvemos a questão pendurando uma toalha. 

Créditos: Namoro com um Pop Star

Se a opção, de não ter comprado pequeno-almoço no hotel nos pareceu fantástica, logo percebemos no primeiro dia, que afinal a decisão não tinha sido assim tãooo genial. Em Amesterdão é tudo caro. A comida é cara. O café é caro. Ir a um restaurante é um balúrdio. Por exemplo, por um pequeno almoço, numa famosa casa de panquecas da cidade, paguei 15€ por uma panqueca de fiambre e queijo (que na minha terra se chama crepe) e um café com leite. Um jantar, num restaurante italiano pode ficar por 27€, se comermos uma pizza de 30cm e bebermos uma água minúscula, se deglutirmos um waffle como sobremesa e injectarmos um café expresso a acompanhar. A única coisa que valia o dinheiro que eventualmente fosse solicitado, era o empregado de balcão que era giro que se faltava. Com uma ligeira barriguinha, mas giro, giro. Ahhh, e forem (como nós) comer os famosos "bolinhos adulterados" preparem-se para mais uma banhada. São caros e o efeito é o mesmo que comprarem um queque de chocolate no Continente. Eu comi dois, fumei uma "ganza" e chupei um chupa-chupa de cabanis e fiquei na mesma. Na mesma não. Fiquei com a carteira mais "aliviada"

Créditos: Namoro com um Pop Star

É claro que ao explorar a cidade a malta aprende, e percebemos duas coisas fantásticas. A primeira é que a língua portuguesa anda por todo o lado, seja na boca de portugueses emigrados, seja transportada por turistas brasileiros. Portanto, alguém nos acudirá sempre num momento de aflição. A segunda e a mais importante: Albert Heijn. Ou seja, supermercados em todas as esquinas possíveis e imaginárias, onde podemos comprar comida super barata, com qualidade e variedade. Obviamente que a partir desta descoberta, o preço do nosso pequeno-almoço caiu a pique e a qualidade subiu. 

7 comentários:

  1. conheces os easyhotels? há em amesterdão. é tudo barato, mas tens de pagar os extras, mas, para dormir, serve.
    é como em londres. é tudo tão caro que tens de te virar pelas lojas tipo minipreço, como te apercebeste no fim, e comprares e comeres na rua ou em jardins. mas, em compensação, há wi-fi em montes de sítios, museus grátis e só pela cidade, vale a pena andar sem rumo.
    pelo menos, divertiste-te.
    os cookies compensaram? :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nãoooooo! Os cookies são um engodo. Vale mais uma garrafa de Muralhas, Margarida lol Sempre fica mais barato :P

      Eliminar
  2. É talvez uma das cidades europeias que mais gostaria de conhecer, talvez para conhecer a Casa de Anne Frank. Mas tomei desde já a tua sugestão se algum dia aí for, de comprar comida em supermercados... :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se fores rico não precisas da sugestão lol :P A casa da Anne Frank, ou melhor, a casa onde esteve escondida (que a casa dela era outra) impõe respeito porque sentes/imaginas as coisas e depois ficas muito pequenino perante tudo. Eu fiquei.

      Eliminar
  3. Tivesse perguntado....
    Vai armado em cagão para casa de panquecas e depois pomba arrota com 15€!! Também estavas à espera do que?!???
    Anfitrião a torcer os olhos

    ResponderEliminar

Este blogue não é uma democracia e eu sou um ditador'zinho... pelo que não garanto que o comentário seja publicado. Mas quem não arrisca...