segunda-feira, 6 de novembro de 2017

parcerias

Ultimamente cá no burgo (Portugal), as produções televisivas (séries e novelas) têm apostado (e bem!), na inserção de muitos actores e actrizes de outros países lusófonos, com especial destaque para o Brasil. Estava a passar a ferro a roupinha para usar amanhã, quando verifiquei através da RTP, que temos mais uma série nesses moldes. A "dita" chama-se "País Irmão" e passa-se entre Portugal e o Brasil, com muitos actores portugueses e alguns brasileiros (destacam-se o Marcos Pasquim, Natália Lage, entre outros). Ah, e é uma comédia.

A história é um pouco confusa para mim (uns portugueses vão fazer uma novela para o Rio de Janeiro, sobre o desembarque da família real portuguesa e assim, coiso e tal, na tentativa de abafar um escândalo do Governo da República Portuguesa), e acho que os actores lusos falam depressa demais, em contraponto com os brasileiros. Contudo, há algo na série que me fascinou: as cenas passadas na favela, naquele contraste entre a realidade e a imagem que a câmara transmite, pontuada pelos diálogos da personagem Thaís Meireles (interpretada pela actriz brasileira Jéssica Córes -na foto) e a sua mãe. A meu ver, a série, se focasse mais uma realidade tão brasileira, inserido outras realidades portuguesas, teria muito a ganhar. Mas isto sou eu, que nada sei sobre televisão. 

Jéssica Córes
Créditos: Gshow

Posto isto, para quando uma série gay entre Portugal e o Brasil? Até podia ser online, suportada por um crowfunding qualquer, construída à medida do seu sucesso e aderência do público. Sei lá, por exemplo, numa primeira temporada, podíamos ter um tipo brasileiro que vinha passar uma temporada a Lisboa para curar um desgosto de amor e conheceria um tipo português, preconceituoso em relação a brasileiros, mas que ao conhecer o tipo brasileiro mudaria radicalmente de opinião e se apaixonaria por ele como nunca se tinha apaixonado por ninguém. Depois a temporada acabava, com o tipo brasileiro a regressar ao Brasil e o espectador ficava na dúvida se o romance ficaria por ali ou se teria seguimento. A segunda temporada da "coisa", até podia acontecer no Rio de Janeiro. Até já tenho os meus protagonistas escolhidos! Por parte de Portugal avançaria com o Duarte Gomes e por parte do Brasil com o Miguel Thiré (também tenho uma panca por este menino snif snif). #ficaadica

Créditos: Artur Lourenço/Lux + J.Humberto/AGNews



Mais sugestões?

6 comentários:

  1. Acho que vou te contratar como roteirista para esta Serie GAY. Tens bom gosto e boa imaginação ... rs

    Beijão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. AHAHAH Paulo, sou bom a ter ideias, não a concretizá-las kkkkkkk :P

      Eliminar
  2. Olá Namorado!

    O "País Irmão" é a única série que vejo actualmente. É boa, dentro das medidas "tugas". É, como dizes (e bem!), uma enorme crítica social recorrendo ao humor, revelando assim, algumas realidades das produções de ficção em Portugal.
    Namorado, continua a ver a série... é boa e vais acabar por perceber tudo! =)

    Sobre uma série gay: mas há alguém disposto a desbravar caminho? É difícil fazer alguma coisa em Portugal, no que diz respeito ao meio LGBT, sem qualquer tipo de apoios... Só casmurros sem amor ao dinheiro.

    Beijinhos e porta-te mal!! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma série gay online portuguesa não é inédita. Já tivemos a "Barba Rija" do André Murraças. E dinheiro, de uma forma ou de outra foi feito para se gastar :)

      Eliminar

Este blogue não é uma democracia e eu sou um ditador'zinho... pelo que não garanto que o comentário seja publicado. Mas quem não arrisca...