domingo, 24 de junho de 2018

passados

No início da semana, falei com um amigo que já não via faz meses. Na troca de acusações de quem tem mais culpa, por não se marcar nada ao vivo, surgiu a novidade que ele namora, que está muito bem e que aos fins-de-semana "vive junto" com o rapaz. 

Conversa puxa conversa, identifica-me o "não-sei-quantos", e eu faço uma pausa técnica. "Conheces??????" - pergunta-me tendo em conta a minha respiração mais controlada. E eu, respondo: "sim, lembro-me dele vagamente da "noite". E ele "ah ok". E a conversa seguiu. Como a marinha. 

E ainda bem que ele não me pediu para definir "noite". Não me estava a apetecer dizer: "Lumiar(Lisboa)", "dentro do carro" e "sem roupa"

12 comentários:

  1. Respostas
    1. Como dizia um colega meu: "promenores, promenores" :P

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Como sou pequeno, não posso ser uma "rameirita"? :P

      Eliminar
  3. Já passei por uma situação assim, bem embaçado

    http://sacredcockclub.blogspot.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cleber, chega a um ponto que quase toda a gente já andou enrolada com toda a gente. Nem que seja por interposta pessoa kkkk

      Eliminar
  4. Oh! Há coisas que ficam melhores no oculto, diria haha!

    http://diariosetemares.blogspot.com/

    ResponderEliminar

Este blogue não é uma democracia e eu sou um ditador'zinho... pelo que não garanto que o comentário seja publicado. Mas quem não arrisca...